Drogas

Sou contra.

Nunca usei, nunca gostei do que vi.

Já fui mais radical em meu posicionamento contrário, já choquei amigos com extremismos. Hoje sou muito pouco mais brando, mas continuo firmemente contrário. Contrário a tudo: ao uso, ao usuário, ao traficante e à legalização.

O uso de drogas, ainda como recreação, sempre foi uma coisa que vi com maus olhos. Nunca vi glamour nas drogas. O que eu vi foi o fato de as drogas ou as consequencias do seu uso terem levado uma boa parte dos caras que admiro. O Rock é recheado de gente que morreu por causa delas.

O traficante, dispensa comentários. Acho que todos concordamos que tem que morrer precisa sofrer as penalidades previstas em lei.

O usuário é a ponta compradora do mercado de drogas. É fundamental para o mercado, assim como o traficante. Portanto, acho que a legislação de 2006 passou a passar a mão na cabeça do usuário, trazendo benefícios apenas a quem usa drogas.  Para a sociedade, não vejo grandes frutos.

E, por fim, a questão mais delicada: a legalização.

Meus motivos para ser tão contrário são basicamente minha total descrença na capacidade de discernimento do brasileiro (com potencial suficiente para tornar esse país um pandemônio), minha descrença na valia da legalização enquanto forma de eliminação do tráfico e meu temor pelas gerações futuras.

Não acho que o brasileiro saiba a diferença entre descriminalizado e liberado. Com a legalização, haverá maconha a venda. Qualquer um pode comprar. Muitos que nunca tiveram interesse pelo assunto podem experimentar, porque, afinal, “agora tá liberado”. O “vamo vê qualé que é” é algo que pode acontecer muito. Drogas deixarão, oficialmente, de ser algo proibído para ser algo a ser “apreciado com moderação” ou, no máximo, que o “ministério da saúde adverte”. Conhecemos bem isso.

Tráfico. Hum… acho que não.

Cigarro e bebidas tem pesada carga tributária. Com as drogas legalizadas não seria diferente. Você acha que o maconheiro usuário vai comprar sua droga do traficante de confiança por R$10,00 ou vai comprar droga legalizada com selo do ministério da saúde(???) por R$17,90? Além disso, não acredito que as pessoas que querem a legalização querem tanto assim resolver o problema da violência. Pra mim estão mais interessadas em comprar maconha sem a polícia aparecer.

Enfim, meu temor pelas gerações futuras, que além de alcool e cigarro (que são, sim, drogas e são, sim, um problema, assim como todas as outras) terão mais substâncias nocivas ao alcance da mão.

Tenho mais argumentos mais elaborados que passam por problemas econômicos, sociais e até mesmo da produção agropecuária, mas isso aqui  não é uma tese de mestrado.

É só o posicionamento de quem tem amigos usuários de drogas e fica triste quando pensa nisso. Pra quem acha que sou preconceituoso, uma ironia do destino: um dos meus melhores amigos é maconheiro de carteira assinada.

Enfim… isso tudo dá muito pano pra manga.

Só continuo acreditando que a vida é muito melhor sem drogas.

Anúncios

3 responses to this post.

  1. Posted by Murilo on 15 de setembro de 2010 at 14:44

    Bom, tu sabe que nessa história só penso diferente de ti em uma coisa: não sou tão preconceituoso quanto ao uso. Quer se chapar, se chapa…

    Acho foda mesmo o impacto social.
    Mas ninguém tá preocupado com isso. Quem usa confortavelmente no seu apartamento na Cidade Baixa tá pouco se lixando pra quem tá fudido na linha de tiro no interior do Paraná.

    Responder

  2. Malandro, eu não sou a favor. Como não sou a favor do uso patético de álcool fora de hora. Ou de quem bebe ou consome pra esquecer os problemas. Porque na verdade se está substituindo.

    Também acho o glamour uma merda. Glamour é uma merda até pros chinelos havaianas, que deveriam ser o que são e não glamourosos…. Mas diversão é diversão e não sou contra o uso pontual pra isso. Deus sabe que tive noites heróicas retumbantes que não teriam sido possíveis sem um esquema.

    Concordo com o problema do tráfico e que o uso incentiva. São dilemas da vida. Não sei se é a velhice, mas tô numas de ver os problemas e aceitar que não posso resolve-los. No fundo eu gostaria que fossemos todos capazes de fazer as coisas com moderação, aproveitando-as e evitando os efeitos sombrios. É pedir demais?

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: