O Rock Morreu?

No último sábado a noite, durante um bate-papo com meu grande amigo Angelo Borba, me deparei com uma pergunta delicada. “Tu concorda comigo que o Rock morreu, né?” disse ele.

Prontamente, como uma pessoa que não apenas gosta, mas vive o Rock and Roll, neguei veementemente.

Angelo continuou seu raciocínio: “O Rock tinha uma coisa de rebeldia, de contestação, de afronta à sociedade e isso se perdeu. O que é a rebeldia do Rock hoje? é usar uma roupa colorida que ninguém usa. E a própria popularidade do Rock não é mais a mesma. Quem é que assumiu o papel do Rock? Talvez aquele hip-hop americano dos 50 Cent e tal… mas mesmo assim acho que ninguém.”

Complementando, ainda traçou um paralelo com os emos e coloridos. “Os próprios emos não existem mais. Ele tinham aquela coisa de andar de mãos dadas, mesmo sendo do mesmo sexo, de trocar beijinhos mesmo sendo do mesmo sexo. A maneira de se afirmar era essa. Agora, com esse happy rock é só roupa colorida”.

Depois de levar esses dois socos na boca do estômago, me senti tentado a repensar minha negativa inicial.

Existe a teoria de que o Rock morreu com Kurt Cobain. Não gosto de dizer que o Rock morreu. O Rock é energia e é eterno. Agora, o último grande nome do Rock foi, sim, Kurt e a última banda a romper padrões comportamentais de alguma forma que impactasse na música e até mesmo na sociedade foi o Nirvana.

Uma coincidência bizarra? Talvez.

Agora, o fato é que em matéria de Rock no sentido mais amplo da palavra, tivemos uma dose muito superficial. Outro grande amigo, Júnior, do Blog Moldura Digital, disse certa vez, quando a onda era o New Metal: “Estamos numa época complicada, onde tudo é Rock e ao mesmo tempo nada é Rock”, comentou inteligentemente sobre a banalização do termo.

Gosto de pensar que o Rock é o único estilo musical que se perpetua com força. Mas, ao mesmo tempo, tenho medo que acabe morto e enterrado na mesma vala onde estão hoje seus pais, o Jazz e o Blues, que já foram populares e hoje são coisa cult.

A receita da vida eterna do Rock é simples: bastam algumas porções de personalidade, hormônios, rebeldia, inteligência, consciência e força de vontade, um recheio de energia e cobertura de pura diversão. Pronto. É nosso dever manter a chama do Rock acesa.

O Rock não morreu, é verdade.

Mas é sensato dizer que está, atualmente, em estado de coma.

Precisamos trazê-lo de volta.

Urgentemente.

Anúncios

2 responses to this post.

  1. Posted by Roger on 24 de agosto de 2010 at 13:14

    Muitas vezes já me peguei fazendo o mesmo questionamento, se realmente o Rock morreu ou não, e como tu, não quero e/ou não aceito que isso seja verdade.

    Acho que o grande problema, como foi comentado, é que tudo que surge já é rotulado como Rock, banalizando o estilo. Já vi gente dizer que Kate Perry é Rock, que Lady Gaga é Rock. Até acredito que a atitude de uma Lady Gaga até é bem Rock n’ Roll (lembrando um pouco da estravagância do Kiss e a polêmica de grandes astros do Rock). Mas sua música, não é nada Rock.

    O Rock não morreu, mas está na beira de um abismo prestes a pular. E o meu medo é que pule. E tudo que já foi feito até hoje se perca. Acredito que o Rock é eterno. Pois transcende a questão musical, algo comparado a uma devoção, uma fidelidade.

    E por incrível que pareça, vejo muito a inclusão digital e o acesso a tantas coisas, onde qualquer um faz o que quizer e como quizer, matou um pouco do Rock. Tantas coisas surgiram nessa década digital, que na minha opinião, o Rock não estava preparado para enfrentar. Pois o “lixo cultural” disponibilizado na era digital, conseguiu atrair mais fãs do que se esperava. A pirataria e falta de interesse de grandes gravadoras em investir em Rock também contribuiu para isso.

    Como tu disse, o Rock está em coma…será que ele acorda? Espero que sim!

    Abraços!!

    Responder

  2. Posted by Jairo Panzer on 24 de agosto de 2010 at 12:58

    Se morreu, ninguém me avisou…
    Velho, concordo contigo que tá agonizando, mas aqui no Brasil. Tenho ouvido umas bandas na Europa que têm aquele som vigoroso na linha Motorhead e tão aí na ativa lançando álbum atrás de álbum sem perder o veneno. Vou citar uma, que conheci faz pouco e me impressionou muito, sinceramente: V8 Wankers, da Alemanha.

    O problema do nosso Brasil varonil é que sempre acolheu de braços abertos esses modismos ridículos estrangeiros. E assim sempre será, enquanto nossa juventude for acéfala, sem critérios e manipulável.

    Parabéns pelo blog, grande abraço.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: