Política I

Eu não gosto de política.

Essa é a frase mais recorrente quando o assunto é política. Pois bem. É isso mesmo que eles querem.

Enquanto as pessoas não se envolvem com a política, não se interessam por ela, não percebem a importância dela em nosso dia-a-dia, tudo continua como está. E isso é o maior benefício que uma população pode dar àqueles que mamam na teta vivem às custas do dinheiro público, seja de forma legal ou não.

Eu volta e meio me revolto com a política. E acho isso saudável até. Enquanto eu estiver me revoltando, é porque existe senso crítico e fé na mudança, duas coisas fundamentais para qualquer tipo de revolução, sejam elas pessoais ou não. O cheiro do mofo da estagnação, ao menos, não se sente quando existe revolta.

Das tantas vezes que a política me fez odiar mais esse país, a maior delas foi quando Renan Calheiros chamou sua absolvição de “Uma vitória da democracia”, depois de ter se safado sido inocentado de diversas acusações por seus companheiros de senado em uma covarde reunião a portas fechadas, onde, por matemática, foi possível perceber que alguns senadores (não se sabe quais) votaram de forma exatamente oposta a que haviam declarado à imprensa.

Até escrevi um texto sobre o assunto. Na época, meu grande amigo Junior me cedeu espaço em seu blog Moldura Digital para que eu pudesse expor minha opinião. Para conferir, clique aqui.

A última vez que me revoltei com a política foi ontem, quando lí a notícia de que não houve seção na câmara por falta de quorum. Para quem não sabe, falta de quorum é quando não há gente suficiente.

Ok, pode acontecer. Mas agora, o fato mais chocante.

APENAS CINCO deputados apareceram.

Vale lembrar que (tecnicamente, e apenas tecnicamente) são trabalhadores. Trabalhadores que tem uma jornada a cumprir. Se amanhã, no meu trabalho, eu resolver não aparecer, precisarei me justificar e/ou receber a punição por minha irresponsabilidade.

O que aconteceu ontem vai muito além. Estatísticamente seria o mesmo que amanhã, na agência onde eu trabalho, apenas eu fosse trabalhar.

A política nacional é recheada de canalhas e coberta com uma imensa rede de rabos presos.

É a única instituição falida que  movimenta milhões.

É a solução dos nossos problemas, sob responsabilidade de quem só quer resolver seus próprios problemas.

É o galinheiro dos ovos de ouro sob a guarda de raposas eleitas por nós.

O projeto Ficha Limpa é um exemplo de que a mobilização popular pode, dentro de um estado democrático, mudar as coisas para melhor. Precisamos usar desta força mais e mais vezes. Precisamos fazer de mobilizações como essa uma constante, até que tenhamos a POLÍTICA LIMPA, com todos unidos pelo Brasil.

Sonhar não custa nada

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: